Incêndio Florestal: Métodos de combate

por | jan 19, 2021 | Incêndio florestal | 0 Comentários

MÉTODOS DE COMBATE EM INCÊNDIOS FLORESTAIS

Duas ações são decisivas para evitar o desenvolvimento de um incêndio:

  • Impedir a progressão livre da frente do incêndio;
  • Atacar os flancos para reduzir a cabeça do incêndio.

O conceito básico é: Quanto menor for o foco de incêndio, mais hipóteses haverá de conter e extingui-lo. Por exemplo, uma fogueira pode ser apagada com um balde de água.

 

 Como regras gerais, podem se apontar as seguintes:

  • Atuação rápida e firme, sem perda de tempo, tendo o cuidado com sua segurança e com a da equipe;
  • Evitar que o incêndio se parta em várias frentes;
  • Buscar compreender o comportamento do incêndio para dominá-lo melhor.

Num incêndio nascente, ou em um de pequenas proporções, deve-se tentar quebrar o ritmo de progressão atuando diretamente sobre sua frente.
Quando isto não for possível, se deve progredir pelos flancos, diminuindo a cabeça do incêndio, até a extinção completa da frente das chamas.

MÉTODOS: DIRETO, INDIRETO E COMBINADO

O método direto consiste no ataque direto às chamas, recorrendo à tática ofensiva, sempre que possível, na cabeça do incêndio, de modo a cortar, de imediato, o seu desenvolvimento. Se tal não for seguro e possível, o ataque inicia-se pelos flancos, na direção da frente principal, de modo a empurrar as chamas para onde for mais favorável, visando dominar e extinguir a frente do incêndio.

O método indireto destina-se a travar a propagação das chamas, quando o ataque direto não é possível, tentando conter o incêndio a uma determinada área. Esta poderá ser delimitada por faixas de contenção, isto é, por zonas previamente tratadas para retardar a propagação ou mesmo extinguir as chamas.

Essas faixas de contenção poderão ser:

  • Previamente existentes: Estradas, caminhos florestais, áreas tampão, aceiros, arrifes, cortinas de abrigo e faixas corta-fogo;
  • Construídas na altura do incêndio, limpando o terreno dos combustíveis até ao regolito.

Em qualquer um dos casos, essas faixas podem ser alargadas e consolidadas, através do tratamento da vegetação que lhes é adjacente com água, espumíferos ou caldas retardantes.

O método combinado consiste na aplicação simultânea dos dois métodos referidos (direto e indireto), na mesma frente de chamas.

Normalmente utilizam-se máquinas de rasto para a abertura da faixa de contenção (indireto), ao mesmo tempo que se posicionam nessa faixa veículos de combate que procedem ao ataque direto.

Em um incêndio de pequenas proporções e nos flancos ou na cauda de um grande incêndio, utiliza-se o combate direto.

Para deter o avanço de um incêndio de grandes proporções, em particular de uma frente principal, emprega-se o combate indireto.
Num mesmo incêndio podem ser utilizados os dois métodos de combate (direto e indireto) em simultâneo. A sua utilização depende das condições de progressão e da disponibilidade de recursos.

Referências bibliográficas: Combate à incêndios Florestais, SINTRA, 2006.

CEO, SUPERVISOR TÉCNICO, CONSULTOR E INSTRUTOR:

João José de Godoi - CEO

Bombeiro Civil, Técnico de segurança do trabalho, Enfermeiro e graduado em urgência e emergência, além de ter se especializado, posteriormente, em emergências, pela Teex.

Membro do Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndios, ajudou da elaboração de algumas normas técnicas na ABNT, sendo elas: NBR 14.276, NBR 14.608 e a NBR 15.219.

Cursos para especialização

Curso de Bombeiro civil

Especialização: Bombeiro Florestal

Prevenção e atuação em incêndio em vegetações